Reflexão sobre a educação dos filhos

Recebi essa mensagem da amiga Mirely e achei muito legal para pensarmos sobre o que e o quanto queremos oferecer aos nosso filhos.

Um jovem de nível acadêmico excelente, candidatou-se à posição de gerente de uma grande empresa.Passou a primeira entrevista e o diretor fez a última entrevista e tomou a última decisão.

O diretor descobriu através do currículo que as suas realizações acadêmicas eram excelentes em todo o percurso, desde o secundário até à pesquisa da pós-graduação e não havia um ano em que não tivesse pontuado com nota máxima.

O diretor perguntou, “Tiveste alguma bolsa na escola?” o jovem respondeu, “nenhuma”.

O diretor perguntou, “Foi o teu pai que pagou as tuas mensalidades ?” o jovem respondeu, “O meu pai faleceu quando tinha apenas um ano, foi a minha mãe quem pagou as minhas mensalidades.”

O diretor perguntou, “Onde trabalha a tua mãe?” e o jovem respondeu, “A minha mãe lava roupa.”

O diretor pediu que o jovem lhe mostrasse as suas mãos. O jovem mostrou um par de mãos macias e perfeitas.

O diretor perguntou, “Alguma vez ajudaste a tua mãe a lavar as roupas?”, o jovem respondeu, “Nunca, a minha mãe sempre quis que eu estudasse e lesse mais livros. Além disso, a minha mãe lava a roupa mais depressa do que eu.”

O diretor disse, “Eu tenho um pedido.  Hoje, quando voltares, vais e limpas as mãos da tua mãe, e depois vens ver-me amanhã de manhã.”

O jovem sentiu que a hipótese de obter o emprego era alta. Quando chegou a casa, pediu feliz à mãe que o deixasse limpar as suas mãos. A mãe achou estranho, estava feliz mas com um misto de sentimentos e mostrou as suas mãos ao filho.

O jovem limpou lentamente as mãos da mãe. Uma lágrima escorreu-lhe enquanto o fazia. Era a primeira vez que reparava que as mãos da mãe estavam muito enrugadas, e havia demasiadas contusões nas suas mãos. Algumas eram tão dolorosas que a mãe se queixava quando limpava com água.

Esta era a primeira vez que o jovem percebia que este par de mãos que lavavam roupa todo o dia tinham-lhe pago as mensalidades. As contusões nas mãos da mãe eram o preço a pagar pela sua graduação, excelência acadêmica e o seu futuro.
Após acabar de limpar as mãos da mãe, o jovem silenciosamente lavou as restantes roupas pela sua mãe.

Nessa noite, mãe e filho falaram por um longo tempo.

Na manhã seguinte, o jovem foi ao gabinete do diretor.
O diretor percebeu as lágrimas nos olhos do jovem e perguntou, “Diz-me, o que fizeste e aprendeste ontem em tua casa?”

O jovem respondeu, “Eu limpei as mãos da minha mãe, e ainda acabei de lavar as roupas que sobraram.”

O diretor pediu, “Por favor diz-me o que sentiste.”

O jovem disse “Primeiro, agora sei o que é dar valor. Sem a minha mãe, não haveria um eu com sucesso hoje. Segundo, ao trabalhar e ajudar a minha mãe, só agora percebi a dificuldade e dureza que é ter algo pronto. Em terceiro, agora aprecio a importância e valor de uma relação familiar.”

O diretor disse, “Isto é o que eu procuro para um gerente. Eu quero recrutar alguém que saiba apreciar a ajuda dos outros, uma pessoa que conheça o sofrimento dos outros para terem as coisas feitas, e uma pessoa que não coloque o dinheiro como o seu único objetivo na vida. Estás contratado.”

Mais tarde, este jovem trabalhou arduamente e recebeu o respeito dos seus subordinados. Todos os empregados trabalhavam diligentemente e como equipa. O desempenho da empresa melhorou tremendamente.

Uma criança que foi protegida e teve habitualmente tudo o que quis, vai desenvolver- se mentalmente e vai sempre colocar-se em primeiro. Vai ignorar os esforços dos seus pais, e quando começar a trabalhar, vai assumir que toda a gente o deve ouvir e quando se tornar gerente, nunca vai saber o sofrimento dos seus empregados e vai sempre culpar os outros. Para este tipo de pessoas, que podem ser boas academicamente, podem ser bem sucedidas por um bocado, mas eventualmente não vão sentir a sensação de objetivo atingido. Vão resmungar, estar cheios de ódio e lutar por mais. Se somos esse tipo de pais, estamos realmente a mostrar amor ou estamos a destruir o nosso filho?Pode deixar o seu filho viver numa grande casa, comer boas refeições, aprender piano e ver televisão num grande plasma. Mas quando cortar a grama, por favor deixe-o experienciar isso. Depois da refeição, deixe-o lavar o seu prato juntamente com os seus irmãos e irmãs.Deixe-o guardar seus brinquedos e arrumar sua própria cama. Isto não é porque não tem dinheiro para contratar uma empregada, mas porque o quer amar como deve de ser. Quer que ele entenda que não interessa o quão ricos os seus pais são, um dia ele vai envelhecer, tal como a mãe daquele jovem. A coisa mais importante que os seus filhos devem entender é a apreciar o esforço e experiência da dificuldade e aprendizagem da habilidade  de trabalhar com os outros para fazer as coisas.

Quais são as pessoas que ficaram com mãos enrugadas por mim?
Anúncios

Mãe é mãe: mentira!

MÃE (por Martha Medeiros)

Vamos esclarecer alguns pontos sobre mães,ok?
Desconstruir alguns mitos.
Não, não precisa se preocupar.
Não é nada ofensivo, eu também sou mãe…e avó!
Vamos lá:

MÃE É MÃE: mentira !!!
Mãe foi mãe, mas já faz um tempão!
Agora mãe é um monte de coisas: é atleta, atriz, é superstar.
Mãe agora é pediatra, psicóloga, motorista.
Também é cozinheira e lavadeira.
Pode ser política, até ditadora, não tem outro jeito.
Mãe às vezes também é pai.
Sustenta a casa, toma conta de tudo, está jogando um bolão.
Mãe pode ser irmã: empresta roupa, vai a shows de rock pra desespero de algumas filhas, entra na briga por um namorado.
Mãe é avó (oba, esse é o meu departamento!): moderníssima, antenadíssima, não fica mais em cadeira de balanço, se quiser também namora, trabalha, adora dançar.
Mãe pode ser destaque de escola de samba, guarda de trânsito, campeã de aeróbica, mergulhadora.
Só não é santa, a não ser que você acredite em milagres.
Mãe já foi mãe, agora é mãe também.

MÃE É UMA SÓ: mentira !!!
Sabe por quê?
Claro que sabe!
Toda criança tem uma avó que participa, dá colo, está lá quando é preciso.
De certa forma, tem duas mães.
Tem aquela moça, a babá, que mima, brinca, cuida.
Uma mãe de reserva, que fica no banco, mas tem seus dias de titular.
E outras mulheres que prestam uma ajuda valiosa.
Uma médica que salva uma vida, uma fisioterapeuta que corrige uma deficiência, uma advogada que liberta um inocente, todas são um pouco mães.
Até a maga do feminismo, Camille Paglia, que só conheceu instinto maternal por fotografia, admitiu uma vez que lecionar não deixa de ser uma forma de exercer a maternidade.
O certo então, seria dizer: mãe, todos têm pelo menos uma.

SER MÃE é PADECER NO PARAÍSO: mentira!
Que paraíso, cara-pálida?
Paraíso é o Taiti, paraíso é a Grécia, é Bora-Bora, onde crianças não entram.
Cara, estamos falando da vida real, que é ótima muitas vezes, e aborrecida outras tantas, vamos combinar.
Quanto a padecer, é bobagem.
Tem coisas muito piores do que acordar de madrugada no inverno pra amamentar o bebê, trocar a fralda e fazer arrotar.
Por exemplo?
Ficar de madrugada esperando o filho ou filha adolescente voltar da festa na casa de um amigo que você nunca ouviu falar, num sítio que você não tem a mínima idéia de onde fica.
Aí a barra é pesada, pode crer…

MATERNIDADE é A MISSÃO DE TODA MULHER: mentira !!!
Maternidade não é serviço militar obrigatório!
Deus nos deu um útero mas o diabo nos deu poder de escolha.
Como já disse o Vinicius: filhos, melhor não tê-los, mas se não tê-los, como sabê-los? Vinicius era homem e tinha as mesmas dúvidas.
Não tê-los não é o problema, o problema é descartar essa experiência.
Como eu preferi não deixar nada pendente pra a próxima encarnação, vivi e estou vivendo tudo o que eu acho que vale a pena nesta vida mesmo, que é pequena mas tem bastante espaço.
Mas acredito piamente que uma mulher pode perfeitamente ser feliz sem filhos, assim como uma mãe padrão, dessas que têm umas seis crianças na barra da saia, pode ser feliz sem nunca ter conhecido Paris, sem nunca ter mergulhado no Caribe, sem nunca ter lido um poema de Fernando Pessoa.
É difícil, mas acontece.
MAMÃE, EU QUERO: verdade!
Você pode não querer ser uma, mas não conheço ninguém que não queira a sua.

5 anos: “Mamãe, te amo.”
11 anos: “Mãe, não enche.”
16 anos: “Minha mãe é tão irritante.”
18 anos: “Eu quero sair de casa.”
25 anos: “Mãe, vc tinha razão.”
30 anos: “Eu quero voltar pra casa da minha mãe.”
50 anos: “Eu não quero perder a minha mãe.”
70 anos: “Eu abriria mão de TUDO pra ter minha mãe aqui comigo.”…


Como organizar o chá de bebê

Por esses dias muitas grávidas conhecidas perguntaram sobre o chá de bebê e as dúvidas são muitas. O que pedir, como fazer, por onde começar. Como o blog é para ajudar as futuras mamães vou falar um pouquinho sobre o assunto.

1º – a data: opte por fazer no 7º mês que ainda tem disposição, tanto para a organização, quanto para lavar e arrumar os presentes. Quanto ao horário sugiro final de tarde.

2º – quem convidar: mulheres e crianças.

3º – como fazer a lista: temos duas opções. Uma é enviar o convite com o presente especificado. A outra é fazer a lista em uma loja especializada.
Particularmente, acho complicado especificar o presente. Cada item é muito pessoal e com preços que vão de R$1,00 a R$100,00. Qual o critério para pedir um presente mais caro para uma pessoa e um mais barato para outra? E a cor?
Se na sua cidade não tem lojas especializadas sugiro que faça uma tabela e, na hora de entregar o convite, peça para a pessoa marcar na lista qual presente ela quer comprar. (Aqui no meu trabalho fazemos assim e funciona bem).  Na dúvida se a pessoa não irá gostar de escolher o presente, peça fraldas descartáveis que nunca é demais.
Na loja é legal porque a mamãe vai até lá e escolhe todos os itens. A convidada tem opções de preços, sabe que a mamãe vai gostar e, depois, você ainda pode trocar se ganhar algo repetido.

4º  o que servir: salgadinhos, mini cachorro-quente, torradinhas com patê, bolo caseiro, pão de queijo, sorvete, refrigerante, sucos e água.

lembrancinhas: pirulitos mini-chupetas, docinhos, fotos da barriga da mamãe ou guloseimas de épocas (mini panetone, mini ovo de páscoa)

brincadeiras: as tradicionais brincadeiras de adivinhações estão bem fora de moda e causa tédio geral na mulherada. No chá da Angelina um mágico cuidou da animação. Se você não quiser gastar com isso, sugiro apenas abrir os presentes e colocar em uma mesa bem bonita de maneira que os presentes fiquem expostos. Deixe umas etiquetas ao lado para cada pessoa colocar o nome no presente que deu.
“Recados para o bebê” também é legal. Use cartões em branco ou um livro onde cada convidada vai deixar um bilhetinho para o bebê que está chegando.

decoração: bolo de fraldas, fotos do papai, mamãe e irmãos quando bebês, bexigas, varal para pendurar as roupinhas, aquelas roupinhas que a sua mãe ou sogra guardou de quando os papais eram bebês, sapatinhos. É possível fazer tudo dentro de um tema, como em festa de aniversário, só que em menor proporção (jardim, piquinique, flores).

Clique aqui e veja:

Chá da Angelina na casa da vovó Zete
Chá da Angelina e da Luíza com as amigas do trabalho das mamães

Abaixo algumas fotos que podem ajudar bastante.

sugestão de lista

Mesa de bolo e doces

Bolo-lembrancinha, para chá de bebê ou maternidade

Convite menino

Convite menina

Os convites podem ser colocados junto com um saquinho de chá e fechados com lacinhos. Fica um charme.

Segurança no berço

Hoje no Fantástico passou uma matéria bacana sobre segurança no berço. O berço da Angelina, como viram por aqui, tem todos os apetrechos… protetor de berço, almofadas, etc. Tirei o mosquiteiro, achei que a poeira que acumula fazia mais mal do que alguma eventual picada. Os protetores eu gosto, tenho medo dela se enroscar entre as grades. Almofadas ela tem muitas, mas acabam ficando do lado de fora. Bichos de pelúcia as vezes deixo algum pequeno pra ela por a mão… e ficam muitos mordedores porque ela brinca sentada enquanto arrumo o quarto ou o banho.
Gastei uma boa grana no kit do berço mais o conjunto completo para fazer a cama da Maria Eduarda igual e esse é um detalhe que eu não investiria tanto, ficou lindíssimo, mas não é fundamental. E agora, vendo essa matéria, não é nem recomendado.
Beijos para todos e boa semana 🙂

Clique aqui e veja a matéria do Fantástico.

Desafio

Continuamos aqui, no repouso. O tempo, que passou tão rápido até agora, resolveu parar. Ler não consigo, sinto muito sono, o corpo dói. Aproveito para manter o site KarinaRocha.com.br sempre atualizado e cheio de dicas pras minhas noivas e ficar zanzando pela net. Porém, não posso fazer isso muito tempo que a posição sentada não é legal (como se a deitada fosse né). Enfim…

Hoje me deparei no blog Vidadeesposa.com.br com o desafio abaixo e lembrei-me daquele meu famoso caderno de enquetes na escola. Ai que delícia!!!! Obrigada Van, amei!!!  Vamos brincar né 🙂

01. Pegue o livro mais perto de você, abra na página 18 e encontre a 4ª linha:
É um livro de viagem, na página 18 tem uma foto do Templo Budista Borobudur na Indonésia. O livro é “50 lugares inesquecíveis – exóticos”.

02. Estique seu braço esquerdo o mais longe que puder. O que você encontra?
O potinho de canetas que nunca tem nenhuma que escreva.

03. Qual foi a última coisa que assistiu?
“Do que as mulheres gostam” no Universal Channel

04. Sem olhar o relógio, que horas você acha que são?
Quase meia-noite.

05. Agora, olhe no relógio. Que horas são?
23h22

06. Sem contar o barulho do computador, o que mais está ouvindo?
O filme que o marido tá assistindo.

07. Quando foi a última vez que saiu? Onde foi?
Sexta-feira – casamento do Érik e Silmara.

08. Antes de começar esse questionário, o que estava fazendo?
Zanzando pela net.

09. O que tá vestindo?
O pijama do marido, considerem que estou em repouso e um tanto acima do peso, rsrsrs.

10. Você sonhou a noite passada?
Sonhei que estava no hospital e a Angelina nascendo. Acho que só tem isso na minha cabeça…

11. Quando foi a última vez que você deu risada?
Hoje, várias vezes, pelos motivos mais bobos do mundo.

12. O que acha da pessoa que te indicou este desafio?
Divertidíssima a Van. Não conheço pessoalmente mas me sinto super íntima 🙂

13. Viu alguma coisa esquisita há pouco tempo?
Uma mulher bêbada dormindo na calçada, eu só tinha visto homens. É a mulherada invadindo todos os mercados, hehehe.

14. Qual foi o último filme que você assistiu?
Hoje assisti “Do que as mulheres gostam” e “Entrando numa fria maior ainda com a família”.

15. Se você se tornasse milionário da noite para o dia, o que compraria?
Uma viagem em família sem destino e sem data pra voltar.

16. Uma coisa sobre você que eu não saiba:
Tenho medo de barata.

17. Seu estado de espírito agora:
Ansiedade total…

18. Se você pudesse ser qualquer mulher famosa, qual seria? (não vale dizer nenhuma):
A Sandy. Podem falar o tanto que quiserem, ms ela é linda demais e só precisa abrir a boca pra sair uma voz perfeita.

19. Imagine que seu primeiro filho seja uma menina, como a chamaria?
Eu sempre imaginei Manoela… mas agora terei a Angelina. Essas coisas são inexplicáveis.

20. Imagine que seu primeiro filho seja um menino, como o chamaria?
Seria Francisco, mas o marido não gostou, ele queria Miguel ou Arthur. Penso em fechar a fábrica, mas se acontecer algum acidente ele decide.

21. Você pensa em morar fora?
Eu pensava até ir para o Canadá em 2003. Depois de uma semana sem escutar samba e viver outras coisas que só tem por aqui, desisti. Só quero viajar muito 🙂

22. O que você mais quer agora?
Ver nossa princesinha nascer bem forte e saudável.

23. Qual a pessoa mais importante na sua vida:
Uma só não consigo…. em ordem aleatória: Angelina, Maria, marido, pai, mãe e irmão

24. Qual seu sonho para curto prazo?
mesma resposta do item 22.

Shantala

http://estrelas.globo.com/videos/v/angelica-apresenta-a-shantala-para-juliana-knust/1475454/#/Programas/20110402/page/1

Beabá Bebê – Unimed

Semana passada começamos o curso Beabá Bebê na Unimed de Rio Preto. Amigos já fizeram e gostaram e nós também recomendamos.

A primeira aula foi só de apresentação e é muito divertido ver tantos casais vivendo as mesmas experiências. A fala dos maridos são as mais engraçadas. Teve um que, depois de tanto ouvir falar de cuidados com o umbigo, comentou “pensei que cortasse o umbigo na hora que nasce”; coitada dessa mãe, hehehehe.

Enfim, fica mais essa dica para futuras mamães. A inscrição pode ser feita no site www.unimedriopreto.com.br. Abaixo vai a programação para entenderem o que acontece por lá.

Ah, e muito importante: o curso é para o casal. Homens não precisam se envergonhar, essa troca de experiências é muito bacana e sua participação é fundamental 🙂

1º Encontro – Apresentação do programa
2º Encontro – Nutricionista e Fisioterapeuta
3º Encontro – Obstetra
4º Encontro – Aleitamento Materno
5º Encontro – Vínculo com a Psicóloga
6º Encontro – Banho e cuidados com o bebê
7º Encontro – Dentista e Debate
8º Encontro – Encerramento com entrega de certificado e presente

As gestantes são divididas em grupos conforme a sua idade gestacional,
podendo sugerir o dia de sua preferência. Este dia poderá ser
alterado conforme a necessidade do programa. O curso é semanal,
com duração de 8 semanas, as inscrições podem ser feitas em
qualquer período da gestação, porém, a gestante iniciará o curso
após o sexto mês de gestação. A gestante tem direito a um
acompanhante durante o curso.

Clique aqui e faça a sua inscrição.

Parto normal x cesárea

Relutei muito para escrever sobre esse assunto porque, no início, fiquei muito decepcionada quando descobri que teria de iniciar uma verdadeira guerra para, ao menos, tentar um parto normal e decidi não falar mais sobre o assunto. Essa semana saiu uma matéria no BomDia (http://www.bomdiariopreto.com.br/Noticias/Dia-a-dia/45764/A+supremacia+cesariana) e decidi compartilhar a minha trajetória e opinião sobre o assunto.
Sempre pensei que parto é o natural. Cesárea é cirurgia, não parto. Isso é uma coisa minha. Tenho muito medo de hospital e, principalmente, da dependência. Ficar limitada por causa dos pontos é algo que me deixa incomodada.
Em todos os sites, revistas etc que falam sobre as vantagens e desvantagens dos tipos de parto, o normal sempre ganha. Conheço muito poucas mulheres que tiveram filhos de parto normal e acreditei sempre que era só uma questão de opção.
Então, na minha cabeça, isso era algo muito simples e não teria nenhum problema.

Ok. Então vamos à trajetória agora:
– Escolhi a dra. Valéria muito antes mesmo de engravidar porque ouvi, numa conversa de salão, que ela incentiva o parto normal.
– Logo na primeira consulta, ela perguntou se eu tinha vontade de parto normal, eu disse que era prioridade pra mim e ela disse que é ótimo, que a maioria das pacientes já chega decidida pela cesárea. Porém, devemos estar preparadas caso seja necessário realizar a cirurgia.
– Após esse início, conversando com várias pessoas, ouvi muitas dizerem que a dra. Valéria incentiva mas não faz, que quando vai chegando perto, por um menor risco ou se for um parto demorado, ela acaba indicando a cesárea.
– Procurei outros médicos “defensores” do parto normal e a resposta foi a de que fariam sim o parto como eu quero, porém não pode ser feito pelo convênio, só particular. Algo em torno de 2mil reais para o médico mais o restante que precisa pagar no hospital.
– Voltei na consulta seguinte com a dra. Valéria e conversei francamente sobre o assunto, ela disse que faz parto normal mas que por vezes não é possível mesmo. Ela me traz muita segurança no pré-natal e penso que essa deva ser minha prioridade nesse momento.

Diante disso tudo fiz muita pesquisa e cheguei à conclusão que:
1. o governo faz campanhas lindas para as mães mudarem de idéia mas não incentivam na prática, nem investem na estrutura necessária para melhorar as condições dos médicos e hospitais.
2. os convênios se importam muito pouco, ou quase nada, com os pacientes e os médicos.
3. os médicos tem as razões deles e não estão de todo errados, pelo menos são sinceros os que dizem que, financeiramente, não vale a pena pra eles e de tentarem minimizar os riscos com uma cirurgia programada.
4. as pessoas hoje buscam a praticidade e uma cirurgia com hora pra começar e terminar é muito conveniente para ambas as partes.

Porém, nada disso muda a minha opinião e o meu desejo de, simplesmente, esperar a Angelina se manifestar e nascer quando e como ela bem entender.
Claro que se for necessário fazer uma cesárea não vou ser menos mãe. Respeito muito a decisão de cada pessoa mas não consigo me imaginar na situação de acordar, tomar banho, trocar, pegar as malas e ir pro hospital, é uma coisa minha.

Enfim, desisti de brigar. Estou preparando meu corpo e minha mente na yoga e fazendo pesquisas sobre como me comportar no momento do parto para que nós duas estejamos prontas e possamos facilitar as coisas.

Agora é só esperar e acreditar que Deus está de olho na gente e iluminará o nosso caminho para que tudo seja perfeito e saudável 🙂

Beijos e bom fds!!!!

em tempo: de todas as pessoas com quem conversei que tiveram parto normal e cesárea, 100% diz que, se fosse fazer de novo, seria normal.

O lindo trabalho das Doulas

Hoje o marido me mandou esse video lindo que passou no programa Mais Você, da Ana Maria Braga.

Eu já havia lido muitas coisas sobre as Doulas. Aqui em Rio Preto a única profissional nessa área deixou de atender faz um tempo por diversas questões que ainda estou amadurecendo na minha cabeça pra poder falar.

De qualquer forma, a matéria me emocionou muito e tive que parar um pouquinho pra enxugar as lágrimas… lindo de viver 🙂

Super beijo

http://maisvoce.globo.com/videos/v/reveja-mais-voce-apresenta-o-lindo-trabalho-das-doulas/1424420/#/programas/20110201/page/1

Visitando recém-nascidos

Vivendo e aprendendo. Quem não é mãe não sabe quais as alegrias e dificuldades na hora de (re)começar a vida ao lado de um recém-nascido. Confesso que já cometi alguns deslizes na hora de visitar. Achei o texto abaixo bem interessante (talvez com alguns exageros):

Confira essas sugestões na hora de visitar :

• Ligue para perguntar qual é o melhor dia para visitar. Há mulheres que ficam nervosas ou sentem dor nos primeiros dias – especialmente se fizeram cesariana.
• Nunca apareça de surpresa. A mamãe pode estar envolvida em mil tarefas e sem condições de recebê-la.
• Se você telefonar e a ligação cair na secretária eletrônica, não insista. Deixe recado e aguarde retorno.
• Evite falar alto, fumar ou usar perfumes fortes perto da criança e da mãe.
• Não comente assuntos que possam deixer a nova mãe angustiada. Ela precisa de muita segurança e serenidade durante essa fase.
• Lembre de levar um presente não só para o nenê mas também para a mamãe e até para o papai – eles vão ficar felizes de ser lembrados numa hora em que todas as atenções se voltam totalmente para a criança. Lembre-se, principalmente, de irmãozinhos mais velhos.
• Se for à maternidade, dê lugar a outras visitas, principalmente se o ambiente for pequeno e comportar um número pequeno de pessoas. Programe uma visita de meia hora, no máximo.
• Não fique corrigindo o comportamento da mamãe nem faça comentários que a assustem sobre o bebê, do tipo “como ele é pálido!” ou “olha que cabecinha pontuda!”
• Se você levar seu filho pequeno junto, não deixe que ele incomode a mãe ou o recém-nascido.
• Se a mãe for dar de mamar, deixe-a à vontade para ficar sozinha. Muitas mulheres se constrangem por ter que amamentar diante de outras pessoas.
• Só fique perto na hora do banho ou da troca de fraldas, se for convidada.
• Não sobrecarregue a mãe, aparecendo para almoçar.
• Lave as mãos antes de tocar no bebê e não faça visitas se estiver com tosse, conjuntivite, gripe etc. O sistema imunológico do recém-nascido é frágil e ainda está se desenvolvendo.
• Não leve os seus amigos ou familiares para visitar o nenê – afinal, a mamãe não os conhece e não é momento de apresentações sociais, não é mesmo?
• Ofereça-se para ajudar em alguma tarefa doméstica, caso perceba que a mãe precisa: lave uma louça ou leve uma pizza para o jantar, por exemplo.
• Mesmo que a mamãe ofereça, evite aceitar cafezinhos, sucos ou qualquer coisa que dê trabalho a ela.
• Não fique muito tempo nem chegue muito tarde. Lembre-se de que o pequenino precisa mamar de 3 em 3 horas, trocar fraldas e tomar banho – sem falar no descanso da mamãe.
Fonte: e-family.net

Entradas Mais Antigas Anteriores