e a barriga cresce

Ontem tirei o dia para as compras de Natal. Encarei supermercado, calçadão e shopping. Tudo com bastante cautela pois a cada duas horas preciso sentar para comer, descansar, essas coisas de grávida.

No fim do dia os pés estavam inchados e as costas doendo muito. Acho que abusei, mas pelo menos não terei de encarar comércio na véspera do Natal. Juro que só saio de casa agora para salão de beleza e festas.

O mais legal foi a Maria comigo na Renner. Ela viu uma tolha com capuz de pintinho, igual a roupa que o Evandro deu e quis comprar pra irmãzinha. Chegou em casa e pediu pra embrulhar, escrever o nome dela (Maria) no pacote, como fizemos com todos os presentes do amigo-secreto, porque ela só vai entregar o presente da irmã dia de Natal.

Chegamos em casa já quase noite e o Daniel não estava. Liguei pra ele vir que a Maria estava lá e ela não gosta quando ele demora. Quando fui ligar ela disse “fala pra ele vir logo, ele tá pensando o que? que a aqui é a mãe da casa da Joana?”. Dá vontade de morder né, heheheheh. Tem presente melhor que esse?

Enfim, dezembro é sempre assim, correrias, muitas compras e janeiro vem a fatura do master… mas a gente foi feliz e isso que importa. Porém, continuo acreditando que dezembro não é um bom mês para nascimentos nem casamentos, as festas se misturam e os aniversariantes ficam fora do foco. Confesso que evitei muito ficar grávida 9 meses antes do fim do ano.

Hoje vim trabalhar com minha meia elástica porque meus pés merecem todo cuidado do mundo, eles tem muito peso pra carregar. Fui até o banco, que é no fundo da faculdade e senti minha barriga doer, não por dentro, por fora. A pele começa esticar e sinto a barriga crescendo a cada dia. Penso que agora que começo a ficar com jeito de  grávida (até me passaram na frente na fila do supermercado sem eu pedir, rsrsrs).

Depois coloco fotos da barriga com detalhes e comparativos, rsrsrs.

Um beijo grande e muito carinhoso, só volto em 2011.

Boas festas, feliz natal e tuuuudo de bom. Que Deus continue abençoando todos nós 🙂

Anúncios

Presentes para mamãe

Ontem ganhei um presente lindo da Ju Merengue (ela é um doce mesmo). Outro dia vi no globo.com essa notícia da Juliana Paes: http://ego.globo.com/Gente/Noticias/0,,MUL1623819-9798,00-GRAVIDISSIMA+JULIANA+PAES+CIRCULA+COM+CAMISETA+FOFA+I+LOVE+MY+BABY.html

A Ju, fofíssima, pesquisou na net e encontrou o site www.camisetadamamae.com.br e ontem ganhei a minha camiseta linda 🙂

Outra dica de presentes para mamães é o CD “Grandes Pequeninos”… músicas infantis para o papai, mamãe, irmã, vovó, vovô e toda a família. Ganhamos da Tia Lu e do Tio Mirim, o Daniel escuta no carro e a Maria Eduarda dança e bate palmas sem parar. A mamãe escuta para relaxar e se inspirar.

A difícil escolha do nome!!!

 Olá queridos e queridas!!! Cá estamos nós pensando em nomes ainda… as coisas começam a se definir. Vou contar algumas histórias sobre os nomes, isso tudo ajuda na hora de escolher. Como eu já disse antes, definir um nome é algo de muita responsabilidade.

Valentina = Força

É um nome forte, nome de rainha. Traduz força, vitória, garra. Foi o primeiro nome que o Daniel falou, antes mesmo da gente se casar. E sempre tivemos como definido esse nome. Em nossas conversas de vez em quando saía um “quando tiver a Valentina…”. E ele sempre teve esse nome tão presente na vida dela que o amigo Vinícius (de tanto ouvir) se antecipou e já definiu o nome da filha dele e da Fernanda.
Numa pesquisa de imagens relacionadas ao nome no google encontrei algumas coisas que ajudam visualizar e materializar o nome, fica a dica pra quem enfrenta as mesmas dúvidas.

a barriga da Fernanda, esperando pela Valentina

 

Maria Fernanda Candido nos bastidores do especial "A princesa e o vagabundo" onde ela interpretou a RAINHA VALENTINA

 

Elis = Deus é a Salvação

Já falei sobre esse nome. O Daniel e eu gostamos muito da Elis Regina e o que ela signifca na música. Foi ele quem sugeriu esse nome também e eu gostei muito. Outro detalhe, como eu já disse, é que seria um pedacinho do nome da minha mãe – Elizete. Soa delicado e ao mesmo tempo imponente. Agrada muito meus ouvidos e meu sentimento de mãe, mas o Daniel ainda prefere nomes grandes. Parece que só Elis fica faltando alguma coisa.

Angelina – descentente de anjo

Dias desses estávamos a Maria e eu assistindo o desenho Angelina Ballerina e eu falei pra ela que esse seria um bom nome pra irmãzinha. Ela gostou mas logo em seguida disse que ela era uma ratinha. Eu expliquei que a ratinha que usava um nome de pessoas. Além do que ela é uma ratinha rosa e que ama dançar, rsrsrs. Acho que nem comentei disso com o Daniel.

Angelina Ballerina

Uns dias depois a Maria comprou uma cartela de adesivos da Jolie e colou o adesivo com o nome na minha “agenda da mamãe”. Eu olhei e pensei “vão achar que Jolie é o nome da minha filha”, mas não associei nada.

Depois o marido disse, numa conversa sobre o nome, que queria um nome grande. Se não fosse Valentina, então poderia ser Angelina. Eu disse que gostava.

Ontém (domingo) eu estava vendo notícias e no globo.com estava escrito “Angelina Jolie revela como cria seis filhos, pilota avião e namora Brad Pit”. Aquele nome estava tão bonito, grande, imponente. E a atriz dispensa comentários né. Nesse momento vi minha agenda com o adesivo “Jolie”.

Então é isso, encontrei uma maneira de encontrar formas para os nomes. Essa tática de pesquisar no google foi sugestão do Evandro, que vive em função de tecnologia. Além de tudo que já foi pensado, ele disse que precisa ver se tem domínio disponível, porque nomes muito comuns são difíceis na hora de criar um site, rsrssr… (a criança nem nasceu e ele já tá pensando que ela vai ter um site).

Pelo menos agora temos um caminho a seguir, não são tantas dúvidas nem tantas sugestões. Como Elis o marido já descartou, ficamos entre Angelina ou Valentina. Vou esperar minha princesinha se manifestar de alguma forma, quem sabe ela ajuda escolher o nome que será seu e ela terá de carregar pra sempre né!!!!

Obrigada pela visita!!!!

Chá de bebê

No dia 15/12 aconteceu o Chá das Bebês da Érika e Karina no Ibilce… foi uma delícia. Optamos por fazer em dezembro (um pouco cedo pra mim né) porque a Luiza chega em fevereiro e queríamos fazer juntas. Foi muuuuito gostoso.

Como é bom receber tanto carinho né. Ainda não descarreguei as fotos, ms passei só pra registrar o meu MUITO OBRIGADA.

Cheguei em casa e arrumei todos os presentes na cama. O Daniel ficou babando. Depois deixei lá até ontém pra Maria Eduarda ver, ela cheira tudo e depois guarda na gaveta porque “as coisas da minha irmãzinha eu arrumo”. Foram muitas fraldas e muitas coisas super úteis e super lindas.

Depois coloco algumas fotos.

Beijos e bom domingo 🙂

Visitando recém-nascidos

Vivendo e aprendendo. Quem não é mãe não sabe quais as alegrias e dificuldades na hora de (re)começar a vida ao lado de um recém-nascido. Confesso que já cometi alguns deslizes na hora de visitar. Achei o texto abaixo bem interessante (talvez com alguns exageros):

Confira essas sugestões na hora de visitar :

• Ligue para perguntar qual é o melhor dia para visitar. Há mulheres que ficam nervosas ou sentem dor nos primeiros dias – especialmente se fizeram cesariana.
• Nunca apareça de surpresa. A mamãe pode estar envolvida em mil tarefas e sem condições de recebê-la.
• Se você telefonar e a ligação cair na secretária eletrônica, não insista. Deixe recado e aguarde retorno.
• Evite falar alto, fumar ou usar perfumes fortes perto da criança e da mãe.
• Não comente assuntos que possam deixer a nova mãe angustiada. Ela precisa de muita segurança e serenidade durante essa fase.
• Lembre de levar um presente não só para o nenê mas também para a mamãe e até para o papai – eles vão ficar felizes de ser lembrados numa hora em que todas as atenções se voltam totalmente para a criança. Lembre-se, principalmente, de irmãozinhos mais velhos.
• Se for à maternidade, dê lugar a outras visitas, principalmente se o ambiente for pequeno e comportar um número pequeno de pessoas. Programe uma visita de meia hora, no máximo.
• Não fique corrigindo o comportamento da mamãe nem faça comentários que a assustem sobre o bebê, do tipo “como ele é pálido!” ou “olha que cabecinha pontuda!”
• Se você levar seu filho pequeno junto, não deixe que ele incomode a mãe ou o recém-nascido.
• Se a mãe for dar de mamar, deixe-a à vontade para ficar sozinha. Muitas mulheres se constrangem por ter que amamentar diante de outras pessoas.
• Só fique perto na hora do banho ou da troca de fraldas, se for convidada.
• Não sobrecarregue a mãe, aparecendo para almoçar.
• Lave as mãos antes de tocar no bebê e não faça visitas se estiver com tosse, conjuntivite, gripe etc. O sistema imunológico do recém-nascido é frágil e ainda está se desenvolvendo.
• Não leve os seus amigos ou familiares para visitar o nenê – afinal, a mamãe não os conhece e não é momento de apresentações sociais, não é mesmo?
• Ofereça-se para ajudar em alguma tarefa doméstica, caso perceba que a mãe precisa: lave uma louça ou leve uma pizza para o jantar, por exemplo.
• Mesmo que a mamãe ofereça, evite aceitar cafezinhos, sucos ou qualquer coisa que dê trabalho a ela.
• Não fique muito tempo nem chegue muito tarde. Lembre-se de que o pequenino precisa mamar de 3 em 3 horas, trocar fraldas e tomar banho – sem falar no descanso da mamãe.
Fonte: e-family.net

Qual o tamanho do seu amor?

Amor de mãe não tem medida e nem tamanho, certo?!
Pois é, mas hoje, na consulta do pré-natal ouvi dois números tão pequenos e que significam tanto, é uma coisa realmente incrível!!!
Nossa pequena mede 23 cm e pesa 400 gramas. É esse o tamanho do meu amor maior 🙂
Graças a Deus está tudo em ordem, coraçãozinho perfeito, tudo no lugar.
A mamãe está bem também, com o peso em dia (o mesmo da primeira consulta), a pressão boa (10/6) e o coração pulsando cada dia mais forte.
O papai Daniel e a irmã Maria Eduarda acompanharam atentos a consulta e, depois, a Maria perguntou por que e não dá pra ver colorido o exame da irmãzinha, que aquilo parecia um dálmata preto e branco, rsrsrsrs. Esses comentários são uma alegria a parte.

Quanto ao nome da pequena ainda continuam algumas dúvidas e optamos por deixar o assunto quietinho. Estamos esperando uma certeza. Como eu já disse antes, é muito grande a responsabilidade de escolher algo para uma pessoinha que ela vai carregar pelo resto da vida, sem opção de troca.

Um beijo grande e com muito carinho 🙂

Finalmente: fotos!!!!

Olá amiguinhos e amiguinhas!!!! Finalmente algumas fotos por aqui, da barriga da mamãe e dos presentinhos tão lindos e carinhosos, obrigada a todos!!! 🙂

a barriga da mamãe com 4 meses

a irmã mais velha, Maria Eduarda, organizando os presentes para fotos

Kit de carrinho e um cheirinho muito bom do "tio Didi" feito por - http://fotolog.terra.com.br/bolosebordados

olha como a tia Tóia me quer charmosa

da vovó Zete... cada voltinha que ela dá eu ganho um presente

da minha mamãe, ela mesma tricotou as meias... e as fraldinhas vieram de Águas de Lindóia

da vovó de coração - Luiza

da Sonia do Ibilce, também veio de Águas de Lindóia

o primeiro presente, da Érika (e da Luiza tb)... sapatinhos vermelhos que trazem proteção

da Mari Borges que vai ser minha professora de balé

o meu primeiro pacote de fraldas veio de Águas da Prata - tia Denise

e a minha irmã Maria Eduarda disse que tudo que era dela, agora é meu. Esse mordedor é o meu primeiro brinquedo. E a sandália é da Barbie!

do tio/padrinho Evandro, trouxe lá de Barcelona. Jaquetas, saia, cinto e até uma roupa de pintinho... ele me quer fashion!!!

Entrevista com dr. Jair Pinto

Compartilho com vocês essa entrevista publicada no Jornal BomDia em 29/08/2010 – http://www.redebomdia.com.br/Noticias/Dia-a-dia/29285/O+obstetra+Jair+Pinto+encara+Sabatina+do+BOM+DIA

Vamos analisar e pensar com carinho 🙂

Sabatina

Obstetra especialista em parto normal responde a perguntas do conselho do BOM DIA

Agência BOM DIA

Na capital nacional da cesareana, Rio Preto, Jair Pinto, pai de seis filhas, cria método para parto natural e diz que o bebê que
vai nascer é mais importante que a mãe

Edmilson Zanetti – Quem é Jair Pinto?
Jair Pinto –
Talvez, nessa região, eu seja a único médico com essa idade trabalhando até agora. Se precisar trabalhar de madrugada, ainda estou firme.

Cheguei a Mirassol como cirurgião geral e operava muito tireoide. No meu tempo só tinha dois médicos: José Sicardi e Waldomiro Thomé. E o médico do posto de saúde, Hernani da Gama Correa.

Carmem Soler – Como chegou à obstetrícia?
Jair Pinto –
Fui obrigado a fazer de tudo. Fiz o primeiro parto quando estava no terceiro ano de medicina. Montei o instituto de ginecologia e fui em cima da ginecologia e obstetrícia. Fui estudando cada vez mais, aperfeiçoando, até chegar num ponto que vi que existia muita coisa errada. Muitos acham que a pessoa mais importante é a gestante. Não é a mãe, é o bebê que está no ventre.

Em 1975, o verdadeiro fenômeno foi Frederick Leboyer, que chegou e disse que estava tudo errado. Michel Odent, também francês, seguiu a trilha de Leboyer. Odent foi um grande batalhador do parto natural, inclusive do parto dentro da água. Me inspirei nessas criaturas espetaculares e comecei a fazer uma coisa diferente.

Então, bolamos uma forma de fazer um parto humanizado, onde o foco principal era o bebê. A mãe vinha em seguida.

Teve um dia que fiz sete partos. Tinha um hospital pequeno, uma clínica com nove leitos, com espaço para aula a gestantes. Cheguei a ter 15 gestantes assistindo aulas. Eu acompanhava e ensinava a respirar.

A respiração do cachorrinho, que os americanos gostam de fazer, é combatida. Inventei uma respiração. A respiração do cachorrinho cansa. Inventei uma coisa que é a respiração do a-a-a-a. Isso modifica a dor. Não falo dor. Falo contração. Aí adotamos uma mesa de parto que fiz umas modificações. A mesa dava a posição de cócoras, mas com a mulher sentada.

Ela sentava, e tinha uma abertura para colocar as pernas. E para as mãos tinha um arco para segurar. Na sala de parto, na hora de nascer, desligávamos a luz porque o bebê está lá no seu escurinho. É uma agressão. Você está grávida e vai ter um bebê que é único no mundo. O parto é um momento de muito respeito e de receber essa criança com dignidade.

A postura de pegar a criança pelos pés e dar um tapa para chorar é uma agressão muito violenta. Quando entra o ar, o pulmão infla, e deve doer muito, e ainda leva uma palmada daquelas. A criança não está com o joelho esticado, pois está nove meses encolhida. Como pega essa criança pelos pés e coloca de cabeça para baixo? A dor deve ser muito grande no joelho. E isso você não vê em livro.

A gestante hoje nem toca em assunto de parto. Gravidez é igual cesariana. É uma coisa bárbara, terrível. Então, apagamos as luzes e eu dizia que ninguém podia falar. O único que podia falar é quem iria nascer. A mãe fala, mas nós da equipe de jeito nenhum. A criança nasce e é colocada no peito da mãe. É a parte sensorial.

O contato da mão da mãe com o bebê. Pele com pele. É o melhor cobertor que tem. E ninguém fala porque o bebê tem de ouvir a voz da mãe e do pai que está junto. Às vezes a gente coloca uma música relaxante.

Antigamente eu fazia: boca no bico. Forçava e o bebê não pegava. Não adianta forçar. É a parte gustativa em que ele vai sentir o sabor e o estímulo que vai dar para a mãe ter leite. E também o nariz, que vai com a boca. Ele vai sentir aquele odor que a mãe tem.

Gilberto Scandiuzzi – Por que se mudou a forma de nascer? Por que se faz só cesariana?
Jair Pinto –
  A mudança foi aos poucos, desde o aparecimento do SUS, que pagava mal aos médicos. Era mais interessante ter um parto cirúrgico do que um parto natural. No parto normal, o médico, às vezes, fica horas e horas. E na cesariana o hospital ganha, o dono do hospital tem interesse.

O anestesista ganha, o médico que faz a cesariana ganha, o auxiliar ganha. E pagava mais a cesariana que o parto normal. Se fosse o contrário: vamos pagar mais pelo parto normal, mas não.

Carmen Soler – Quais as vantagens e desvantagens do parto de cócoras para a litotomia?
Jair Pinto –
Quando a mulher está nesta postura, ela não está comprimindo os grandes vasos. Ela não consegue dormir de barriga para cima. A gente a manda deitar do lado esquerdo, pois do lado direito tem a veia porta e a veia cava. O parto natural está acabando com esses recursos da medicina. E a postura. Quando é cesariana, o anestesista costuma virar a mulher de lado para não comprimir os grandes vasos e não pressionar e o sangue voltar e a mulher se sentir mal.

Amélia de Freitas – A gente vê na TV e nos filmes mulher demonstrar muita dor e sofrimento no parto normal. Não seria interessante o governo fazer campanhas desmistificando esse excesso de dor? O ultrassom incomoda o bebê?
Jair Pinto –
Normal é parto com sofrimento. A moça não está preparada para ter o bebê. Então, falo parto natural, em que há colaboração das partes todas. Mas o recheio mental é muito grande. Não sei como mudar isso. A mulher só pensa que vai doer. Quanto ao ultrassom, não vai prejudicar o bebê. Há emissão de raios, mas não atinge a criança.

Erina Ferreira – Em relação a criança que nasce de parto natural, sabemos que na questão do leite isso flui melhor, ela vai conseguir se alimentar melhor e mais cedo. Tem outro aspecto em relação a esse bebê: ele vai ser mais calmo?
Jair Pinto –
Nasceu é boca no bico. A criança, mesmo quando não põe a boca no bico, mas namora, fuça, há um estímulo que vai produzir os hormônios, que vão contrair o útero: ocitocina e aí a prolactina que vai produzir o leite.

Antigamente as maternidades, os médicos e as enfermeiras eram cruéis, imitavam Hitler. E não pode ser igual ao período da guerra. As enfermeiras alemãs ficaram famosas, eram violentas. Podia berrar do jeito que fosse, mas o peito era de três em três horas. De três em três horas coisa nenhuma. Tem que pendurar no bico do peito e deixar quanto tempo for.

Gilson de Barros – Minha ideia: a mulher chegou ao hospital para ter o bebê e não tem plano de saúde nem como pagar. Às vezes, não tem nem marido. Essa mulher, automaticamente, deveria ser esterilizada e não ter filho nunca mais. Ela ocupa a escola pública, a Febem, o CDP, os hospitais. Por outro lado, incentivar o pessoal que tem maior poder aquisitivo a ter filhos.
Jair Pinto –
Respeito sua opinião, mas não concordo. Tenho outra formação. A maternidade é uma coisa que a mulher tem de decidir por ela. Sou contra o estado dizer que tem de ser assim. A mulher veio ao mundo para procriar.

Fernanda Maturana – Mesmo com o alto índice de cesarianas na região, é possível o parto normal ser mais frequente ou vai ser esquecido?
Jair Pinto –
Acho que não vou ver isso acontecer. Há hospitais em que cesarianas são 100%. É difícil mudar isso. Tem plano de saúde que gasta milhões com time de futebol e não paga mais aos médicos. Os médicos estão fechando consultórios. Um médico não quer ficar a noite inteira no parto. Não só o médico. A família não quer.

Edilberto Imbernom – Seu espírito inquieto se acalmou com o tai-chi-chuan?
Jair Pinto –
O tai-chi é uma outra faceta da minha vida e é um aprendizado permanente e diário.

Procuro passar para os outros o que posso. A finalidade maior é essa: não só absorver pra mim. É um trabalho de meditação, de respiração e de plena consciência de tudo que se relaciona à sua respiração com todo o corpo, toda mente e todos os sentimentos.

A gente não pode parar de se aprofundar. A grande verdade é que o interior da gente é um mistério. A mente da gente é um mistério, e você aprender a sossegar sua mente é muito importante.
QUEM É E O QUE FAZ
Nome: Jair Pinto
Idade: 82
Profissão:  Obstetra e ginecologista
Especialidade:  Parto natural

dica de compras

Já falei aqui sobre os desejos de comprar muitas coisas pros bebês né… hoje, véspera de feriadinho, deixo um dos sites mais fofos que encontrei sobre o assunto (na verdade foi indicação da Milene que trabalha cmg). Quem me conhece sabe o tanto que sou fã do bom e velho all star e aqui temos opções lindas em crochê para encher nossos pimpolhos de charme.

Infelizmente não consegui salvar as imagens, mas cliquem no link que vale a pena.

http://www.elo7.com.br/productSearch.do?command=showUserProducts&webCode=1E1F2

Objetos de desejo

Mulheres são doidas por comprar e isso é fato. Na gravidez aquele convicção de que pra tudo na vista existe mastercard fica ainda mais forte!!!

A primeira coisa que vi e babei foi o “ofurô” para bebês. Quero banhar minha pequena assim, li em diversos sites sobre os benefícios do “banho de balde” e me encantei. Parece que é mais fácil pra mãe e mais confortável para a criança.

O produto ainda é um pouco novo e não muito divulgado, aqui em Rio Preto só tem na Fralda e cia. Traduzindo: custa caro!!!! (haja $$$)

Mas vamos combinar que é a coisa mais linda né.

Detalhes e vídeos tem no site oficial – http://www.tummytub.com.br/

Entradas Mais Antigas Anteriores